Qual é o esporte feminino?

10 de janeiro de 2018


Eu sempre falei nas minhas redes sociais o quanto eu adoro praticar exercícios físicos, é algo que faço desde muito pequena, pois sempre me fez bem. A galera costuma ver eu postando foto correndo, fazendo circo, andando de skate, mas nem todo mundo sabe que eu também tenho uma paixão pelo futebol, mas infelizmente amar isso nunca foi um mar de rosas e sinceramente? Até hoje não é.

Quando eu era criança eu observava os meninos jogando em todo canto, na rua, na escola, na televisão e eu achava aquilo incrível, e sentia uma imensa vontade de jogar. Eu comecei entrando aos poucos no pênalti que tinha na minha escola no primário, porque ali você só precisava fazer fila e esperar chegar sua vez, era mais fácil de conseguir jogar.

Depois que a minha paixão foi aumentando eu queria jogar em times, mas não tinha equipes femininas na minha escola, e a única solução que eu tinha era jogar com os garotos, mas não era simples assim.

"Você não sabe jogar, então não vamos deixar."
 

"Você é mulher, mulheres não jogam futebol"

Conseguir achar um espacinho em um time de futsal sempre foi muito complicado, eles nunca deixavam eu jogar por ser mulher, e sempre procuravam desculpas bobas, como aquelas de que mulheres não sabem jogar, e isso foi algo que sempre me incomodou, sempre me machucou, porque eu fui privada de fazer algo que eu amava. 

Aos meus 7, 8 anos eu finalmente consegui entrar em um time de futsal. Eu e meus pais, passamos um bom tempo procurando algum lugar que aceitava garotas para que eu pudesse jogar. Mesmo estando dentro do time, no campo é outra realidade, as pessoas te veem ali, pensam que você está jogando, mas mal sabem que os garotos jogam para si e te privam no campo sem perceber. Com o tempo, acabei saindo do time.

Eu passei um bom tempo tentando ser incluída nos jogos, até que um dia, quando eu tinha 13 anos eu pedi os garotos para deixar eu jogar bola, e então um deles me deu um chute e falou que eu não iria jogar, porque eu era uma mulher. Eu sai dali chorando, e me perguntando o porquê de eu ser uma mulher, e desejando ser um garoto só para poder fazer aquilo que eu gostava e depois de horas chorando, finalmente percebi que tinha alguma coisa errada, e comecei a questionar o porquê de não poder jogar com os outros caras, e foi exatamente ali, que eu conheci o feminismo mesmo sem saber.

Quando as pessoas me perguntam se sou feminista, digo que não gosto de me rotular como feminista, porque acho que ninguém precisa de um rótulo para ser o que quer ser ou lutar por algo pelos seus direitos, mas eu sei o quanto esse movimento é importante hoje, e foi ele que me ajudou a olhar as coisas com uma outra perspectiva e perceber que eu não precisava ser homem, para fazer aquilo que eu gosto.

Depois disso me tornei uma pessoa cada vez mais forte, e passei a não aceitar mais quando um cara falava que eu não poderia jogar bola ou fazer qualquer coisa que fosse. Algumas pessoas acham que hoje, é tudo mais simples para mulheres se formos parar para olhar há alguns anos, mesmo que tenhamos conquistados alguns direitos depois de muita luta e voz feminina questionando as coisas, ainda sofremos machismo, e só quem é mulher pra saber isso, porque ninguém sabe o que uma mulher passa a não ser ela mesma.

Hoje, eu consigo entrar em um time de futsal feminino, consigo andar na rua sem usar sutiã, estudar aquilo que eu quero, postar foto nua na minha rede social, e me sentir cada vez mais livre para fazer o que eu bem entender. Eu faço tudo isso porque eu tomei coragem de enfrentar um a barra todos os dias por fazer coisas que deveriam ser simples de fazer, mas não é fácil. Nunca foi.

Nós mulheres temos que lutar 10 vezes mais que homens para conseguir fazer aquilo que gostamos e ter reconhecimento.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Brenda Caroline - 2012. Todos os direitos reservados.
Criado por: Brenda Caroline.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo